Há um ano e meio atrás tive a grata surpresa de ser convidada por um casal de amigos para participar de um desafio: dividir com eles a responsabilidade de cuidar daquele que seria seu grande projeto. A primeira unidade do Coworking Town ainda era um bebê (um filho que adotei com o tempo) com um pouco mais de um ano de vida, e apesar do pouco tempo de existência, a idéia era aumentar essa família com a criação de mais uma unidade. A responsabilidade era grande, mas não teve como não se animar depois de conversar com esses dois e perceber o quanto eles acreditavam e estavam empenhados em fazer a idéia dar certo. Por isso não hesitei e topei na hora e em outubro de 2017 já estava trabalhando no Coworking Town.

Desafios iniciais

Confesso que no início não foi muito fácil, a equipe era pequena, os recursos eram escassos e o trabalho era grande, mas com dedicação, esforço, paciência e muita resiliência, conseguimos concluir nosso objetivo inicial e em janeiro de 2018 inauguramos nossa segunda unidade. O que parecia ser um trabalho concluído, na verdade se mostrou ser mais um grande desafio a ser cumprido. Com a nova unidade vieram novas preocupações, novas responsabilidades, mais trabalho e uma equipe dividida em duas para dar conta disso tudo.

Estávamos mais experientes ou como dizem por ai, “mais cascudos” (acho inclusive que essa palavra define muito bem essa equipe!), mas uma coisa é certa, as adversidades e dificuldades pelo menos tiveram seu lado positivo. Passar por tudo isso juntos não só nos fortificou individualmente como profissionais, como nos manteve muito mais unidos e focados como equipe em atingir nosso objetivo: trabalhar ainda mais para que todo nosso esforço não fosse em vão!

Trabalho em equipe

Aproveitando a oportunidade e fazendo uma breve pausa no depoimento, fica ai a dica para aqueles que desejam empreender e que como todo empreendedor passa por todo tipo de dificuldades: formar uma equipe sólida, de confiança e engajada é parte fundamental do processo. Um funcionário valorizado torna-se um grande aliado. Costumo dizer que não adianta termos as melhores idéias, estrutura e recursos financeiros ao nosso alcance se não temos pessoas felizes e motivadas trabalhando conosco. Trabalhar com pessoas diferentes é o mesmo que ter uma segunda família. Deve-se acolher, ensinar e motivar, transformando essa relação numa via de mão dupla.

Sempre gosto de ter em mente que grande parte do sucesso de uma empresa deve-se ao engajamento daqueles que nela trabalham, desde daqueles que atuam na função mais básica, até as hierarquias mais altas e é isso que aplico no meu dia a dia trabalhando no Coworking Town. Todos exercem papel importante e, portanto devem ser igualmente valorizados por isso. Tenho muita sorte de me sentir dessa forma e espero ter sempre a sabedoria de fazer com que meus funcionários sintam o mesmo.

Apenas o começo da nossa história

Passados esses quase 18 meses, quando olho para trás e penso como tudo começou e como crescemos dias após dia, me sinto privilegiada em fazer parte dessa história. A minha história trabalhando no Coworking Town, ou melhor, a nossa história mostra que com dedicação, esforço e compromisso podemos realizar nossos sonhos e alcançar o sucesso!

*Post escrito por Bárbara Lopes, gerente da Unidade Nova América.

Ter uma microempresa muitas vezes é o primeiro passo para quem deseja explorar o universo do empreendedorismo. Nesse cenário, os desafios são imensos: a falta de recursos, a descoberta de uma nova forma de atuação profissional (estar do outro lado do negócio), a busca por crescimento e a manutenção da empresa.

Infelizmente, por falta de preparo e conhecimento, diversos empreendedores precisam abortar esse sonho logo no começo, especialmente por não obterem os resultados financeiros almejados.

Para mostrar como ter uma microempresa de sucesso, listamos 5 dicas imbatíveis. Acompanhe!

1. Planejamento Estratégico

O planejamento estratégico contribui para se obter uma leitura mais aprofundada do negócio e da realidade onde ele se encontra. Dessa forma, ele se adequa a qualquer tipo de empresa. É um grande engano achar que ele só serve ou só pode ser feito em negócios maiores.

Com um planejamento bem desenvolvido, é possível alinhar a missão, os propósitos, a visão do futuro e a forma de atuação. Além, é claro, de ter um conhecimento maior sobre o nicho de mercado escolhido.

2. Aprender com os erros

Tentativa e erro levam ao sucesso, principalmente quando se está na fase de aprendizado. Não há problema em errar, o problema é persistir no erro.

Alguns dos erros mais comuns em microempresas como a falta de direcionamento do negócio, controle financeiro inadequado e o não estabelecimento de metas, se feitos de forma reiterada, podem levar à ruína.

Por isso, é fundamental aprender com os erros e usá-los ele em prol da criação de experiências cada vez melhores.

3. Procurar soluções criativas

A falta de recursos é um problema comum para muitos microempresários. Para ultrapassar esse obstáculo é preciso ser criativo. Uma grande alternativa, e que ajuda muito na parte estrutural, é o coworking.

Ao fazer parte de um, além de otimizar os custos operacionais, dá-se um ar mais profissional ao negócio. Além disso, ele facilita o networking e o surgimento de novas oportunidades.

4. Estabelecer parcerias

Já que falamos que o coworking contribui para estabelecer parcerias, vamos aprofundar um pouco mais sobre a importância delas para se ter uma microempresa de sucesso.

Estar em um ambiente que contém profissionais de diversas áreas, inclusive aquelas que são complementares à sua, proporciona uma grande possibilidade de encontrar parceiros confiáveis. No mundo empresarial, o sucesso não se faz sozinho e depende muito de ações como essa.

O coworking também se caracteriza por ter profissionais inovadores, e a inovação é muito importante para criar um negócio que fuja do lugar comum. Imagine encontrar um parceiro que pode ajudar a melhorar o seu negócio sentado na mesa ao lado? Com certeza, seria uma “mão na roda”.

5. Investir no marketing

Mitos como “investir em marketing é caro” ou “farei isso quando a empresa crescer” estão presentes na mentalidade de muitos empreendedores. O grande problema é que as duas afirmações estão erradas e não estão alinhadas com a construção de uma microempresa de sucesso.

Investir em marketing só é caro quando não há uma estratégia adequada para isso. Com ajuda especializada, o marketing pode apresentar um excelente custo-benefício. Além do mais, como as pessoas encontrarão um negócio que nem sabem que existe, se não houver investimento para divulgá-lo?

E quanto à segunda afirmação, a empresa só terá um crescimento sustentável se existir um investimento bem feito em marketing. Caso contrário, esse futuro onde se planejou investir provavelmente nem chegará.

Falando em marketing para pequenos negócios, que tal se aprofundar no assunto e descobrir 4 dicas incríveis? É simples, basta conferir esse artigo especial que preparamos para você!

Empreender é uma alternativa que tem sido cada vez mais valorizada por pessoas não somente no Brasil, mas no mundo inteiro, o que justifica a busca por informações sobre como abrir o próprio negócio.

A possibilidade de tomar conta de um projeto pessoal, dando vida a ideias, podendo definir horários e lucrar, certamente é mais interessante do que atender aos interesses de alguém. Entretanto, nem sempre é possível começar algo novo antes de abandonar seu atual emprego. Se é o seu caso, então confira algumas dicas que selecionamos e que podem ajudar você a começar a empreender sem abandonar seu trabalho!

Planeje o momento certo

É bom você construir uma reserva de emergência para que, na hora certa, ela sirva para garantir a sua segurança na sua nova atividade. A dica é pensar em um valor que corresponda a pelo menos 12 vezes, ou seja, 1 ano do seu salário atual.

Para tanto, recorra a investimentos com boa rentabilidade. Você pode aplicar seu dinheiro no Tesouro Direto, nas Letras de Crédito Imobiliário ou em ações, dependendo da sua necessidade de valorização desse capital. O interessante é que você não tenha pressa e consiga começar o próprio negócio com tranquilidade para acertar e errar, mas sem que isso represente uma ameaça maior.

Trace metas e objetivos para o negócio

A ideia é que você esteja precavido diante de uma possível instabilidade ao começar uma nova atividade. Para tanto, organização é fundamental. Comece fazendo um plano de negócios, no qual existam estratégias para curto, médio e longo prazo.

É importante lembrar que, em geral, essa fase é a mais difícil, pois você ainda estará ganhando experiência, algo que só virá com o tempo. Portanto, elabore um plano flexível para que, diante de resultados ainda insuficientes, você não fique frustrado a ponto de desistir e busque adaptações e soluções para amenizar problemas. Consequentemente, você obterá experiência e tornará as coisas mais fáceis para crescer.

Tenha um diferencial

Sua estratégia de mercado necessariamente dependerá da viabilidade daquilo que você oferece para o seu público. Sendo assim, é preciso compreender suas necessidades e desejos para, em função disso, apresentar uma boa oferta. Trabalhe então com pesquisas, estude o comportamento do consumidor e se cerque de informações que possam ajudar a oferecer algo realmente relevante para quem pode se tornar um cliente da sua empresa.

Isso é fundamental para que a sua solução seja única diante da concorrência. Em relação aos concorrentes, também não deixe de estudá-los: o que vendem, por quanto vendem, quais são os diferenciais de cada um. Essas são apenas algumas perguntas que precisam ser feitas para que você não seja somente mais um no mercado.

Enfim, começar do zero sempre exige esforço. Para tanto, é importante tomar as atitudes certas para errar menos. As dicas aqui apresentadas têm o objetivo de ajudar você a trilhar o caminho certo, por isso, não deixe de colocá-las em prática.

Agora que você já sabe como abrir o próprio negócio, descubra porque abrir uma empresa utilizando o coworking pode ser interessante para você!.

Você sabe a diferença entre endereço comercial e endereço fiscal? Alguns pequenos empreendedores acabam confundindo as duas questões. Isso se soma às dificuldades em arcar com os custos de um espaço físico para montar o escritório da empresa.

Porém, essa questão pode ser menos complexa do que parece: endereço comercial não é a mesma coisa que endereço fiscal. Existem outras alternativas ao estabelecimento de uma sede para o escritório funcionar.

Para começar, vamos entender a funcionalidade de cada um deles:

Endereço comercial

Trata-se da “sede” social da sua empresa. É esse endereço que você vai divulgar em cartões de visita, páginas da internet ou anúncios publicitários para seus clientes e fornecedores conhecê-lo. Nele, você pode marcar reuniões, negociações e tudo o mais que teoricamente seria realizado na sede da empresa.

Endereço fiscal

É o endereço que deve constar no CNPJ, inscrição estadual e toda a documentação da empresa. Trata-se de uma localização que pode ser utilizada apenas para fins formais e tributários. É por isso que não é necessário manter as duas funções em um único endereço. Trata-se de naturezas distintas.

A diferença entre eles

O endereço fiscal pode ser a própria residência do empresário. Com isso, você não precisará divulgá-lo para seus clientes. Além de expor sua residência a todos, divulgar seu endereço residencial nem sempre trará credibilidade, já que, muitas vezes, trata-se de ruas pouco conhecidas. Sendo assim, você pode usá-lo somente para fins fiscais e estabelecer uma sede em local mais conhecido para questões de divulgação.

A importância de ter uma sede

Nesse momento, pode ser que você esteja se perguntando se não seria necessário alugar uma sala para firmar um endereço comercial. Entretanto, existe uma opção que vem sendo muito utilizada atualmente: os espaços de coworking.

Já imaginou firmar seu endereço comercial em uma dessas “casas”? Há espaços que permitem que seus utilizadores o definam como endereço fiscal e comercial da empresa.

Entretanto, a prática ainda traz alguns receios para ambas as partes, já que o empresário, muitas vezes, sente-se inseguro por registrar sua empresa em um endereço que não é totalmente dele.

Alguns espaços também temem o “sumiço” da empresa, sem que o seu endereço seja retirado de seus documentos fiscais. Para ambos os casos, há solução. Devemos salientar que há alguns pontos que devem ser observados antes de escolher um desses espaços.

Acompanhe:

  • legislação municipal: verifique, antes de mais nada, se a legislação do seu município permite o registro de diversas empresas no mesmo endereço. Informe-se também sobre todas as normas para efetuar esse tipo de registro;
  • normas locais: independentemente do que diz a legislação, cada local tem suas próprias normas internas. Você precisa se inteirar delas antes de definir um local de coworking como sede da sua empresa. Por isso, é importante conversar com os administradores e tirar todas as suas dúvidas.

Percebeu como você pode registrar seu endereço comercial e fiscal em um espaço de coworking? Se você gostou das informações deste post, entre em contato conosco e conheça nosso trabalho!

sonho de empreender é compartilhado por milhões de brasileiros, mas muitos não dão vida a ele por não saberem exatamente como tirar uma ideia do papel. Podemos dizer que sim, há uma grande diferença entre a teoria e a prática. Contudo, tudo isso pode ser resolvido quando se tem o passo a passo correto sobre o que precisa ser feito.

Para auxiliar você nessa missão, listamos 6 dicas infalíveis para quem deseja empreender e não sabe por onde começar. Acompanhe!

1. Conheça bem a sua ideia

Esse primeiro ponto pode até parecer um pouco óbvio, mas infelizmente muitas pessoas não amadurecem a sua ideia e/ou até mesmo não têm conhecimento suficiente sobre ela.

Compreender o que se quer fazer é fundamental para encontrar os melhores meios de como fazer. Ou seja, são pontos interligados, e essa sequência deve ser respeitada.

2. Faça uma pesquisa sobre ideias parecidas

Seguindo a ideia do tópico anterior, para conhecer bem a sua ideia é fundamental fazer boa pesquisa, especialmente sobre ideias parecidas. Dessa maneira, se tem mais embasamento sobre como as pessoas estão colocando as suas ideias em prática. Essa é uma ótima maneira de se motivar!

Lembrando que, ao ver cases de sucesso, a motivação aumenta e essa influência positiva é muito favorável para o processo como um todo.

3. Tenha um planejamento financeiro

Esse é um importante passo para entender como tirar uma ideia do papel. Porém, se for negligenciada, pode até colocar em risco a realização do seu projeto. Após o citado processo de pesquisa, não deixe de construir um planejamento financeiro.

Saber os valores necessários para abrir a empresa ajuda até a se organizar pessoalmente, a fim de cumprir esse objetivo. Afinal, todo negócio parte da criação dessa mentalidade empreendedora.

4.  Realize testes antes de começar

Fazer testes é essencial para quem deseja passar por uma espécie de simulação do mercado. Se você trabalha com produtos alimentícios, pode fazer uma degustação. Se trabalha com serviços, pode atender gratuitamente, ou por um preço simbólico, alguns clientes para obter o feedback deles.

O importante é botar a mão na massa e tirar a ideia do papel, medindo a reação das pessoas e o seu próprio comportamento como empreendedor.

5. Execute as suas ideias aos poucos

Um dos grandes erros de empreendedores iniciantes é querer fazer tudo rápido demais, por imaginar que isso vai acelerar os resultados, sendo que muitas vezes pode gerar o efeito contrário.

Por esse motivo, é importante seguir o cronograma e executar um passo de cada vez, focando na qualidade e observando a sua evolução.

6. Faça os devidos ajustes

Os processos de testes e observação ajudam a fazer os devidos ajustes e, assim, melhorar o que está sendo realizado. Nesse sentido, uma ótima dica é estabelecer parcerias com pessoas mais experientes ou de áreas complementares, para receber uma visão mais clínica sobre o seu negócio e já ir criando um networking.

Os espaços de coworking são bem interessantes para isso, por reunirem diversos profissionais no mesmo lugar e favorecerem essa troca de experiências. Para quem deseja empreender e sentir um pouco do fervor do mercado já de imediato, esses locais também trazem isso à tona.

Seguindo esse passo de como tirar uma ideia do papel,  é possível que você comece a empreender o quanto antes e possa dar vida aos projetos que tanto almeja.

Gostou desse post? Que tal nos seguir nas redes sociais e conferir as coisas bacanas que sempre postamos por lá? Aguardamos você! Facebook – Twitter – Google+ – Linkedin – Instagram

A pesquisa de mercado é uma ferramenta indispensável para todo empreendedor. Por meio dela, é possível mapear as características e os cenários existentes no nicho em que a sua empresa escolheu atuar. Ela ajuda, ainda, a definir o melhor direcionamento para o seu negócio.

O primeiro passo é uma boa análise interna do que você tem para oferecer e como fará isso. Na sequência, verá como outras empresas da área atuam e usará essas informações como base para criar uma forma de atuação que consiga se destacar da concorrência.

Fatores como o momento econômico, o perfil dos clientes e a aceitação do público quanto a esse tipo de negócio também são importantes nesse processo.

Para ajudar você a entender como uma pesquisa de mercado é fundamental para o sucesso da sua empresa, listamos abaixo cinco características importantes que podem fazer toda a diferença no seu empreendimento. Confira!

Verifica a viabilidade

Empreender é um sonho, por isso mesmo é preciso estudar se esse sonho é viável ou não. Uma pesquisa de mercado consegue reunir dados suficientes para obter essa resposta.

Aqui é o momento em que a ideia pode ser adaptada para não ser descartada de vez, por exemplo, ou então confirmado o seu grande potencial e selecionadas as ferramentas para executá-la da melhor forma possível.

Mapeia os nichos

Cada nicho apresenta características próprias e a reação do mercado está muito ligada a isso. Alguns trabalham com produtos de uso contínuo, outros de uso casual ou serviços pontuais.

Mapear os nichos com uma boa pesquisa de mercado é uma forma de entender e até prever um pouco da reação do público para que, dessa maneira, se encontre os melhores caminhos para apresentar as soluções que ele necessita.

Instrumentaliza a empresa

Uma pesquisa de mercado alinha as questões teóricas necessárias e ajuda a encontrar as melhores soluções práticas. Sendo assim, ela instrumentaliza a empresa e ajuda a definir uma forma de atuação sólida.

Isso é muito importante para quem deseja escalar resultados e assim ir crescendo aos poucos. Uma empresa bem instrumentalizada tem em seu DNA a capacidade para atender às demandas existentes de forma satisfatória.

Ajuda a traçar o perfil do cliente

O processo de segmentação é muito importante e para isso é necessário traçar o perfil exato do cliente. A pesquisa de mercado é bastante funcional nesse ponto porque traz muitos dados relevantes como o perfil demográfico, econômico e comportamental dos clientes.

Quem sabe exatamente com quem falar e como falar acaba naturalmente tendo um processo comunicativo melhor e colhendo mais resultados com isso.

Evita erros na hora de montar o empreendimento

O processo de tentativa e erro faz parte da montagem de um negócio e do dia a dia do empreendimento. É assim que se aprende e se aprimora muita coisa.

Mas quanto menos erros forem cometidos, melhor. Afinal, muitas vezes eles custam tempo e dinheiro, fatores fundamentais na vida do empreendedor.

Uma pesquisa de mercado ajuda a evitar erros comuns na hora de montar o negócio como entrar em uma área que você não domina e não prever os custos para manter o negócio funcionando, entre outros.

Tudo isso é muito importante para que o seu negócio possa prosperar e crescer.

Falando em crescimento, que tal conhecer estratégias para promover o crescimento sustentável do seu negócio? Esse artigo reúne tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Não deixe de conferir!

A pergunta do título talvez seja a mais comum entre brasileiros que têm o desejo de abrir o próprio negócio. Mesmo pessoas que possuem boas ideias e acreditam na viabilidade do projeto, ficam inseguras em relação ao momento certo de começar a empreender.

Isso faz sentido. Mais do que vontade, é preciso ter critérios para garantir que o começo de uma nova atividade aconteça com segurança. Quer saber quais são eles? Então continue a leitura e confira!

Avalie se você tem o perfil para a sua atividade

Uma das formas de saber se você está pronto para empreender é ter a certeza de que aquela atividade é a ideal para o seu perfil.

O domínio a respeito daquilo que pretende fazer é essencial para o sucesso do seu empreendimento. É preciso então ter prazer em estudar aquele assunto e tudo o que ele envolve , em especial, as oportunidades que apresenta.

É nesse ponto que entra a paixão. Se você tem uma relação emocional positiva com aquilo que faz, certamente terá maiores condições para lidar com as eventualidades do dia a dia, além de se interessar mais pelo tema a ponto de propor soluções e chegar mais longe.

Verifique se você realmente se sente bem ao tratar do tema. Pergunte às pessoas se elas percebem o seu entusiasmo em relação à atividade que pretende exercer.

Garanta o devido conhecimento de mercado

Antes de entender como funcionam mercado, público-alvo e produto ou serviço, você não está preparado para empreender.

Na prática, é em função do mercado que você deve atuar. Observe suas movimentações e peculiaridades. Além disso, esteja sempre de olho no comportamento do consumidor. É o seu público-alvo quem precisa ser devidamente contemplado para que o negócio seja bem-sucedido.

O ideal é saber de que maneira o seu projeto pode ser viável para as pessoas e se há espaço para o que você vende no local em que pretende atuar. Nesse sentido, pesquisas são de grande utilidade. Conte com elas e tenha argumentos para investir.

Tenha um plano para cada fase do negócio

Empreender é algo que, inevitavelmente, exige um conjunto de técnicas por parte de quem atua no projeto. Essas técnicas podem ser adquiridas com o sacrifício do dia a dia, mas também podem ser assimiladas em um momento anterior, quando você sabe quais são as habilidades necessárias para exercer seu trabalho.

Assim, quando você se planeja em função daquilo que será necessário para empreender, habilidades e competências podem ser assimiladas numa fase inicial e você terá maior segurança na sua rotina de trabalho.

Nesse sentido, é preciso planejar, por exemplo, a quantidade necessária de capital de giro em cada fase do empreendimento. Assim você tem como saber se os recursos disponíveis são os suficientes para dar início à sua atividade empresarial e, dessa forma, evitar problemas como empréstimos a juros altos.

De uma maneira geral, é preciso se planejar para os elementos básicos do seu negócio. Isso diz respeito à gestão financeira e de pessoas, marketing e legislação. Tendo isso em mente, você já pode empreender com mais segurança.

Por fim, vale lembrar que não existe uma receita que deve ser seguida por quem pretende empreender. Entretanto, estas dicas costumam estar presentes em empreendimentos de sucesso, portanto, contar com elas pode ser o diferencial que você precisa para começar o seu negócio no momento certo.

Agora que sabe como começar a empreender, assine nossa newsletter e receba outras informações como essas em primeira mão, diretamente em seu e-mail.

Apesar do cenário de crise que preocupa muitos empreendedores, o mercado continua crescendo para determinados tipos de empresas. Alguns setores conseguem se destacar mesmo em situações adversas e, para que você consiga empreender com sabedoria e continuar lucrando, é preciso conhecer quais tipos de mercado são mais favoráveis.

Para te ajudar, listamos 5 opções que têm sido tendência para você acompanhar. Vamos lá?

1. Espaço de coworking

Uma tendência que tem crescido consideravelmente é a criação de espaços de coworking. Com o aumento de empresas com trabalho remoto, esses espaços ajudam a criar um ambiente de trabalho leve, divertido e moderno.

Esses espaços também podem ser utilizados para reuniões empresariais, principalmente com prospects.

2. Startups

As startups e empresas de tecnologia, em sua maioria, caminham juntas. Isso porque o desenvolvimento de tecnologias é muito comum nesse tipo de empresa e, felizmente, hoje muitos podem contar com o apoio de programas de aceleração, que ajudam a tirar a ideia do papel e transformar a startup em algo real.

O mercado tem crescido pelas soluções diferentes oferecidas por empreendedores focados no futuro, na praticidade e na solução. Se você tem uma ideia inovadora, capaz de transformar o mercado e com potencial de ajudar várias pessoas no dia a dia; talvez seja a hora de abrir seu próprio negócio!

3. Serviços de comunicação

As empresas com serviços de comunicação também têm tido seu espaço no mercado.

Hoje, com o crescimento da concorrência e com os novos hábitos de consumo, cada vez mais empresas percebem a necessidade de investir em comunicação assertiva e bem direcionada, além de multimídia.

Por isso, agências e pequenos grupos de freelancers estão aparecendo com mais força, a fim de ajudar uma parcela das empresas que, agora, decidiu investir em marketing.

O interessante dessa área, também, é a segmentação. Algumas empresas de comunicação têm se especializado em áreas, como marketing médico e educacional.

4. Setor de alimentação

O setor de alimentação também cresce, principalmente se pensarmos em segmentação por cozinhas e alimentações específicas. Hoje o mercado é vasto e diversificado, com oportunidades de atuação em alimentação orgânica, em cozinhas de países diferentes, em dietas vegetarianas e veganas e muito mais.

Para esse setor, é importante trabalhar não só o alimento, mas uma experiência e um estilo de vida.

5. Reparo de roupas e sapatos

Uma tendência notável é a personalização de roupas e sapatos. Com isso, pequenos empreendedores com foco em reparo de vestuário têm aumentado consideravelmente. A ideia do slow fashion e do consumo consciente cresceu e, para as pessoas com foco em reparos de roupas e sapatos, essa novidade aumentou as possibilidades de negócio.

Para ficar por dentro do mercado e descobrir quais são os tipos de empresas que mais crescem durante a crise econômica, é preciso ficar de olho nas novas necessidades, sempre considerando os novos hábitos de consumo.

Analisar e acompanhar o mercado é uma forma de encontrar novas oportunidades e aprender a explorar seu diferencial competitivo!

Gostou do nosso conteúdo e quer continuar recebendo dicas de empreendedorismo? Nos siga nas redes sociais: estamos no Facebook, no Twitter e no Instagram!

Atualmente, um dos grandes desafios para os empreendedores é a gestão das suas diversas equipes. Principalmente pela questão da interdependência entre os setores, é essencial que todos trabalhem com sinergia, de forma a garantir os melhores resultados. Essa dificuldade aumenta mais quando há pessoas que trabalham remotamente, ou seja, não estão próximas umas das outras no mesmo espaço físico.

Pensando nisso, no post de hoje, reunimos informações relevantes sobre o assunto para ajudar você a entender como integrar equipes da melhor forma. Continue a leitura e saiba mais!

Qual a importância da integração de equipes?

Em qualquer organização, por mais que em um primeiro momento não pareça, todos os setores são interligados. Nesse sentido, digamos, por exemplo, que o setor de logística atrase a entrega de um produto no destino final. Certamente, o setor de marketing terá que lidar com uma crise por ter diversas reclamações relacionadas a isso. Logo, os dois setores possuem, sim, conexões.

Por isso, ambos precisam trabalhar com entrosamento e dedicação, para que um possa relatar ao outro as situações ocorridas e já “preparar o terreno” para eventuais problemas. A questão primordial é que a integração promove uma maior compreensão da importância do trabalho das equipes como um todo.

Contudo, por mais fundamental que seja, quando precisa ocorrer em situações nas quais as equipes estão distantes fisicamente, essa integração, muitas vezes, é dificultada. O contato diário privilegia as relações entre colaboradores, fazendo com que compreendam mais claramente o que o colega realiza e como o trabalho de um impacta o do outro.

No entanto, mesmo que, a princípio, seja mais difícil alcançar esse tipo de entrosamento com equipes que trabalham a distância, é possível, sim, que todos estejam bem integrados e dispostos a colaborar com os parceiros para que as atividades possam ser realizadas da melhor forma possível. Para tanto, basta ter bastante planejamento e organização.

Como integrar equipes que trabalham a distância?

A seguir, veja algumas dicas infalíveis para realizar isso da maneira mais adequada.

Realize reuniões ocasionais

Para integrar as equipes, é relevante que essas pessoas tenham contatos ocasionais. Se for possível, agende reuniões presenciais em algum espaço que disponibilize salas para esse fim.

Caso alguém não possa comparecer presencialmente, faça-o participar por meio de videoconferência. Isso é importantíssimo até mesmo para que os membros se conheçam de fato e possam contribuir uns com os outros de forma mais potencializada.

As reuniões ajudam nos processos de brainstorming, a alinhar questões que precisam ser resolvidas, a compartilhar experiências e até mesmo você, como gestor, a entender as dores e os problemas de cada setor.

Utilize aplicativos de gestão de tarefas

O que não faltam são ferramentas que permitem uma melhor integração de equipes remotas. Essas, que também são bastante úteis para melhorar a produtividade no trabalho, permitem que as equipes possam acompanhar as demandas e as atividades de cada uma.

Entre essas ferramentas estão:

Implemente redes sociais corporativas

As redes sociais corporativas também são boas aliadas para facilitar os processos de integração entre equipes. Por meio desses espaços, pessoas que estiverem impossibilitadas de se encontrar pessoalmente, poderão interagir e dividir demandas comuns.

Por exemplo, o gerente de uma filial de outra cidade poderá conversar com o gerente da matriz de maneira mais prática e eficiente, dentro de um ambiente facilitado e criado para isso. Utilizando gestão estratégica e criatividade é possível criar plataformas interessantes e atraentes, voltadas para as necessidades do seu negócio.

Otimize a comunicação entre os membros das equipes

Os membros devem ter fácil comunicação entre eles. Isso pode ser estimulado, em um contato mais direto, por meio das redes sociais corporativas citadas anteriormente.

Porém, em outros casos, é preciso aliar essa facilitação à produtividade, considerando que, eventualmente, existe a necessidade de compartilhamento de arquivos, documentos e, até mesmo, ideias e sugestões. Para isso, pode-se usar mecanismos como:

Então, agora que você já sabe como integrar equipes de maneira mais eficaz, não perca tempo e comece a utilizar essas estratégias hoje mesmo. E se ainda ficou alguma dúvida ou se você tem outras dicas para compartilhar, deixe seu comentário abaixo!

 

Em vigor desde que foi promulgada pelo Presidente da República em março de 2017, a Lei 13.429/17 ainda é alvo de dúvidas tanto por parte de empresários quanto de funcionários. Afinal de contas, como a nova lei da terceirização pode afetar a sua empresa e o crescimento sustentável dos seus negócios?

Basicamente, o dispositivo legal modifica o entendimento geral a respeito das atividades que podem ser terceirizadas no Brasil, além de ampliar o rol de responsabilidades em caso de ações trabalhistas.

Se você deseja saber mais sobre esse assunto, o post de hoje traz informações sobre a maior mudança trazida pela nova lei em relação à terceirização, assim como os cuidados que você precisa ter com ela e, por fim, as vantagens que você poderá obter. Continue acompanhando!

Mudança em relação às atividades fim

A grande mudança proporcionada pela lei e que vem sendo alvo de constantes polêmicas é a terceirização de atividades fim. Terceirizar atividades não chega a ser uma novidade no país, pois, legalmente, esse instituto sempre foi permitido para aquelas funções que não estão ligadas à atividade principal da empresa.

Dessa forma, serviços de faxina para uma empresa de softwares ou de fornecimento de tecnologia para um banco, por exemplo, poderiam ser delegados a outras empresas sem problemas.

Com a nova lei, a novidade é que atividades fim também poderão ser terceirizadas. Assim, uma agência de publicidade poderá contratar profissionais de comunicação em regime de PJ (Pessoa Jurídica), ou uma construtora poderá adotar o mesmo para os seus engenheiros.

Cuidados com a terceirização

Embora a mudança pareça ser de grande profundidade, é importante observar que a relação trabalhista continua a ser regida pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que não sofreu modificações. Isso significa que os direitos trabalhistas permanecem intactos, inclusive no que se refere à caracterização de vínculo empregatício.

Portanto, caso haja habitualidade, onerosidade e subordinação entre os gestores da sua empresa e os empregados terceirizados, a justiça poderá entendê-los como seus funcionários diretos, o que faz com que sua empresa fique vulnerável em caso de ações jurídicas.

Outro problema que tem sido lembrado — e que é verdadeiro — diz respeito aos efeitos que a terceirização pode trazer para a cultura organizacional, um fator importante para o sucesso da sua empresa. Se a maior parte dos seus funcionários trabalha ocasionalmente ou por projetos, dificilmente terá uma equipe aderente aos seus conceitos e preocupada com as metas a serem cumpridas.

O lado bom da nova lei da terceirização

Por outro lado, se você trabalha com projetos ou tem interesse em desenvolver trabalhos temporários na sua empresa, a terceirização pode ser uma boa notícia. Sem precisar contratar funcionários para exercer atividades com início, meio e fim pré-definidos, você potencializa o seu orçamento sem sucatear sua mão de obra e, assim, consegue obter mais produtividade e melhores resultados organizacionais.

De parte dos empregados, fica a chance de negociar melhores contratos e trabalhar em diversos projetos ao mesmo tempo e em diferentes empresas.

No final das contas, a Lei da Terceirização é uma boa solução desde que seja usada com sabedoria. A contratação ocasional de funcionários para a realização de atividades fim pode ajudá-lo em alguns desenvolvimentos importantes. Mas, trocar toda a sua equipe por funcionários terceirizados, certamente, trará prejuízos aos seus objetivos.

Portanto, estude a nova lei da terceirização e veja como ela pode ser útil para a sua empresa e para os seus projetos. Faça com que a legislação seja uma parceira do seu empreendimento e dos seus funcionários!

E aí, esse artigo foi útil para você? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de mais conteúdo igual a este sempre que tiver post novo!

Todos os empreendedores estão constantemente buscando formas de inovar e fazer a empresa crescer e desenvolver-se no mercado. Mas, crescer de forma desordenada e sem planejamento pode não ser saudável para o negócio. Em médio e longo prazo pode prejudicar a empresa ou até mesmo levá-la à falência.

Por isto é muito importante que os empreendedores mantenham o controle sobre o volume de vendas, os planos de ação aplicados, os procedimentos para contenção da crise, monitorem continuamente o desempenho da empresa e os resultados alcançados. Estabelecer um planejamento de crescimento sustentável e definir metas a serem alcançadas são processos fundamentais para o desenvolvimento da empresa no mercado e aperfeiçoamento dos lucros.

Para te ajudar a manter o crescimento sustentável da sua empresa, separamos neste post 4 estratégias que não podem ficar de fora do seu negócio. Confira!

1. Estudar o mercado

Para que empresa planeje o crescimento sustentável, defina os planos de ação a serem seguidos e obtenha bons resultados, é fundamental que os empreendedores estudem o mercado e conheçam o contexto no qual a empresa está inserida.

Somente conhecendo todos os competidores, fatores que influenciam o negócio e trabalhando com os melhores parceiros, os empreendedores podem aplicar estratégias e definir posicionamentos para a empresa que proporcionem um crescimento controlado e sustentável.

2. Entender o perfil dos clientes

Para que uma empresa cresça, é preciso aumentar as vendas, correto? Portanto, é imprescindível conhecer o perfil dos clientes e o que eles procuram e desejam.

Somente assim é possível oferecer a eles produtos ou serviços de qualidade e fazer com que a empresa aumente as vendas e mantenha o crescimento.

3. Sanar as necessidades dos clientes

Os clientes são os grandes responsáveis pelos lucros de uma empresa, logo precisam ser o principal foco dos empreendedores. É muito importante que todos os gestores orientem sua equipe e todos os funcionários da empresa a tratarem os clientes com excelência, buscando sempre suprir suas dúvidas e sanar todas as suas necessidades.

Quanto melhor for o atendimento prestado aos clientes, melhor será a imagem da marca no mercado e maiores as chances dos consumidores indicarem a empresa, influenciando assim o crescimento do negócio.

4. Buscar inovações

Após conhecer o mercado, entender o perfil dos clientes, e, quais são as demandas que devem ser supridas e os pontos que carecem de aperfeiçoamento, os empreendedores devem buscar inovações que permitam o negócio destacar-se diante da concorrência e crescer no mercado. As inovações podem ser desde a criação de diferenciais competitivos e introdução de novos processos mais eficientes, até a introdução de novas tecnologias.

Os empreendedores precisam ter em mente que um diferencial competitivo ou uma inovação são umas das melhores maneiras de manter o negócio em destaque e, com isso, fazer com que ele cresça e se desenvolva.

Para que uma empresa mantenha o crescimento sustentável é preciso que os empreendedores estejam constantemente estudando o mercado, conhecendo melhor o público, melhorando o relacionamento com os clientes, planejando e melhorando o negócio.

Assim, a empresa pode manter um crescimento planejado e orientado, garantindo que as metas e resultados esperados sejam devidamente alcançados.

Aprendeu quais são as melhores estratégias para que seu negócio mantenha o crescimento sustentável? Agora que não deixe de curtir a nossa página no Facebook e fique por dentro das melhores dicas e novidades para a sua empresa!

Quando você pensou em abrir o seu negócio deve ter se preocupado muito com a qualidade do produto ou serviço que comercializaria, com o nome da empresa, suas cores, logotipo etc. Mas não imaginava que entre os desafios de empreender deveria entender tanto de contabilidade, correto?

A verdade é que, para seu negócio ser realmente lucrativo, é preciso que o gerenciamento das finanças seja realizado de forma eficiente. Pensando nisso trouxemos dicas fundamentais para a contabilidade de pequenas empresas.

1. Faça um planejamento orçamentário

Um dos maiores responsáveis pelos erros contábeis é a falta de planejamento. Você precisa saber, pelo menos, qual deve ser o faturamento e o lucro mensais esperados do seu negócio e definir qual é o regime de tributação ideal para o seu negócio.

Elabore um sistema preciso de despesas e obrigações regulares para que você conheça exatamente o rendimento mínimo que você precisa a cada mês. Com isso, você terá um alvo de quanto sua empresa precisará ganhar para não terminar o mês no prejuízo.

2. Separe contas pessoais das contas da empresa

Misturar as finanças pessoais com as empresariais é o erro mais comum do pequeno empresário, por esse motivo o ideal é que sua empresa tenha uma conta bancária dedicada somente para ela, incluindo cheques e cartão de crédito. Essa simples prática de contabilidade para pequenas empresas vai lhe poupar grandes dores de cabeça no futuro.

3. Registre todas as despesas

Todas as transações comerciais devem ser registradas, por menor que sejam. Quando se trata de possíveis projeções fiscais e cálculos de despesas, ter essa informação pode ajudar sua empresa a poupar dinheiro, além de eliminar o risco de potenciais multas ou penalidades. Preferencialmente, trabalhe com algum software que simplifique esse processo, para que os registros de transações sejam facilmente rastreados.

4. Organize as questões fiscais

As pequenas empresas são obrigadas a cumprir uma série de questões financeiras e legais, e você precisa estar ciente delas. Erros e atrasos de responsabilidades tributárias podem resultar em multas pesadas. Isso poderia, facilmente, subtrair os lucros da sua empresa.

5. Contrate um profissional de contabilidade

A menos que você tenha um diploma em contabilidade, você precisará contratar os serviços desse profissional. Principalmente no Brasil, com tantas regras e exigências fiscais.

Inicialmente, com seu negócio em expansão, os custos de um contador para cuidar de toda sua empresa podem ser altos demais para o caixa. Hoje em dia entretanto existem diversas empresas de contabilidade online com plano bem acessíveis para esse perfil de negócio.

Perigos da falta de contabilidade para pequenas empresas

Se você ainda não está convencido da importância dessas dicas de contabilidade para pequenas empresas, saiba que o mercado está repleto de ex-donos de negócios que ignoraram essas questões financeiras básicas, e descobriram tarde demais que o negócio estava gerando prejuízo, ao invés de lucro.

Dentre os problemas que sua empresa enfrentará como reflexo da negligência a essas dicas, destaca-se:

  • Grandes perdas financeiras;
  • Pagamentos em duplicidade;
  • Multas por contas atrasadas;
  • Problemas judiciais por não cumprimento das leis fiscais e trabalhistas;
  • Perda de oportunidade de crescimento.

Essa sucessão de problemas poderá causar a morte do seu negócio, para que isso não ocorra, confira também, o artigo que preparamos com 5 dicas para fazer um planejamento financeiro simples e eficiente.