Você provavelmente já ouviu fala em economia compartilhada. Mas afinal o que é isso e como esse modelo vem influenciando pessoas e empresas ao redor do mundo?

Na verdade sua utilização é bastante antiga. A sociedade há séculos tem o hábito de trocar produtos e serviços. Antigamente os agricultores trocavam o excedente da sua produção de batatas por leite e ovos, por exemplo.

Na atualidade, presenciamos o ressurgimento desse sistema de forma inovadora, em meio a saturação do modelo consumista. Diante da necessidade de se produzir com responsabilidade socioambiental e com o avanço das tecnologias, veio também uma nova ideia de consumo e outros conceitos de coletividade.

Pensando nisso, elaboramos este post para que você entenda melhor estes hábitos e se inteire dessa tendência de mercado. Confira!

O que é a economia compartilhada?

Também conhecida como Sharing Economy, a economia compartilhada é adotada por pessoas, comunidades e até mesmo empresas, ao dividirem o uso ou a compra, de determinados bens e serviços. Como consequência pode-se observar um aumento da eficiência e redução dos custos.

Antes do final da década de 90, o compartilhamento era restrito a pessoas de um círculo próximo, pois a distância e a dificuldade de comunicação dificultavam as relações. Hoje a internet ignora fronteiras. Podemos nos relacionar e fazer negócios em tempo real com pessoas de qualquer parte do Planeta, e o consumo colaborativo é viabilizado essencialmente pelos aplicativos de internet, que trazem novas nuances ao modo de se fazer negócios.

Um exemplo muito conhecido desse tipo de economia é a Uber, uma startup que através de um aplicativo intermedeia o serviço de transporte entre motorista e passageiro, ambos cadastrados no sistema, por um preço mais interessante que os padrões tradicionais oferecidos no mercado.

Nesse modelo, devido ao custo benefício mais atrativo, a concepção de ter acesso é mais valorizada do que a posse.

Qual a influência desse método na economia brasileira?

No Brasil, é notável o avanço das startups que trabalham com a economia compartilhada, representando um terço do mercado em toda América Latina e também é o que expressa maior potencial de crescimento.

Alguns dos motivos que mais favorecem o surgimento dessas empresas no país é o grande número de consumidores associado ao uso da internet e dos smartphones, como também a crise econômica, que torna necessário a busca pelo melhor aproveitamento de recursos.

Os espaços de coworking são um belo exemplo de inovação e de ótimo custo benefício, que dão acesso a um local de trabalho organizado e bem estruturado, por um preço até 80% menor do que se cada indivíduo montasse o seu próprio escritório.

Como a economia compartilhada pode melhorar os resultados da sua empresa?

A economia compartilhada apresenta novas soluções e possibilidades para as empresas, seja prestando e contratando serviços ou se tornando um marketplace.

Grandes corporações já vem adotando iniciativas nesse sentido, como a Microsoft que tem equipes instaladas em espaços de coworking e até empresas de petróleo que estão compartilhando peças de reposição e ferramentas de suas plataformas.

Ao propor uma nova dinâmica ao mercado, a economia compartilhada contribui para que além dos indivíduos se beneficiarem, as empresas também encontrem outros meios para aumentar a competitividade e melhorar seu desempenho.

Ficou interessado no conceito? Está interessado no compartilhamento de uma estrutura física para o trabalho? Veja nosso post sobre os benefícios do coworking para o seu negócio.