2 minutos de leitura

A pesquisa de mercado é uma ferramenta indispensável para todo empreendedor. Por meio dela, é possível mapear as características e os cenários existentes no nicho em que a sua empresa escolheu atuar. Ela ajuda, ainda, a definir o melhor direcionamento para o seu negócio.

O primeiro passo é uma boa análise interna do que você tem para oferecer e como fará isso. Na sequência, verá como outras empresas da área atuam e usará essas informações como base para criar uma forma de atuação que consiga se destacar da concorrência.

Fatores como o momento econômico, o perfil dos clientes e a aceitação do público quanto a esse tipo de negócio também são importantes nesse processo.

Para ajudar você a entender como uma pesquisa de mercado é fundamental para o sucesso da sua empresa, listamos abaixo cinco características importantes que podem fazer toda a diferença no seu empreendimento. Confira!

Verifica a viabilidade

Empreender é um sonho, por isso mesmo é preciso estudar se esse sonho é viável ou não. Uma pesquisa de mercado consegue reunir dados suficientes para obter essa resposta.

Aqui é o momento em que a ideia pode ser adaptada para não ser descartada de vez, por exemplo, ou então confirmado o seu grande potencial e selecionadas as ferramentas para executá-la da melhor forma possível.

Mapeia os nichos

Cada nicho apresenta características próprias e a reação do mercado está muito ligada a isso. Alguns trabalham com produtos de uso contínuo, outros de uso casual ou serviços pontuais.

Mapear os nichos com uma boa pesquisa de mercado é uma forma de entender e até prever um pouco da reação do público para que, dessa maneira, se encontre os melhores caminhos para apresentar as soluções que ele necessita.

Instrumentaliza a empresa

Uma pesquisa de mercado alinha as questões teóricas necessárias e ajuda a encontrar as melhores soluções práticas. Sendo assim, ela instrumentaliza a empresa e ajuda a definir uma forma de atuação sólida.

Isso é muito importante para quem deseja escalar resultados e assim ir crescendo aos poucos. Uma empresa bem instrumentalizada tem em seu DNA a capacidade para atender às demandas existentes de forma satisfatória.

Ajuda a traçar o perfil do cliente

O processo de segmentação é muito importante e para isso é necessário traçar o perfil exato do cliente. A pesquisa de mercado é bastante funcional nesse ponto porque traz muitos dados relevantes como o perfil demográfico, econômico e comportamental dos clientes.

Quem sabe exatamente com quem falar e como falar acaba naturalmente tendo um processo comunicativo melhor e colhendo mais resultados com isso.

Evita erros na hora de montar o empreendimento

O processo de tentativa e erro faz parte da montagem de um negócio e do dia a dia do empreendimento. É assim que se aprende e se aprimora muita coisa.

Mas quanto menos erros forem cometidos, melhor. Afinal, muitas vezes eles custam tempo e dinheiro, fatores fundamentais na vida do empreendedor.

Uma pesquisa de mercado ajuda a evitar erros comuns na hora de montar o negócio como entrar em uma área que você não domina e não prever os custos para manter o negócio funcionando, entre outros.

Tudo isso é muito importante para que o seu negócio possa prosperar e crescer.

Falando em crescimento, que tal conhecer estratégias para promover o crescimento sustentável do seu negócio? Esse artigo reúne tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Não deixe de conferir!

2 minutos de leitura

A pergunta do título talvez seja a mais comum entre brasileiros que têm o desejo de abrir o próprio negócio. Mesmo pessoas que possuem boas ideias e acreditam na viabilidade do projeto, ficam inseguras em relação ao momento certo de começar a empreender.

Isso faz sentido. Mais do que vontade, é preciso ter critérios para garantir que o começo de uma nova atividade aconteça com segurança. Quer saber quais são eles? Então continue a leitura e confira!

Avalie se você tem o perfil para a sua atividade

Uma das formas de saber se você está pronto para empreender é ter a certeza de que aquela atividade é a ideal para o seu perfil.

O domínio a respeito daquilo que pretende fazer é essencial para o sucesso do seu empreendimento. É preciso então ter prazer em estudar aquele assunto e tudo o que ele envolve , em especial, as oportunidades que apresenta.

É nesse ponto que entra a paixão. Se você tem uma relação emocional positiva com aquilo que faz, certamente terá maiores condições para lidar com as eventualidades do dia a dia, além de se interessar mais pelo tema a ponto de propor soluções e chegar mais longe.

Verifique se você realmente se sente bem ao tratar do tema. Pergunte às pessoas se elas percebem o seu entusiasmo em relação à atividade que pretende exercer.

Garanta o devido conhecimento de mercado

Antes de entender como funcionam mercado, público-alvo e produto ou serviço, você não está preparado para empreender.

Na prática, é em função do mercado que você deve atuar. Observe suas movimentações e peculiaridades. Além disso, esteja sempre de olho no comportamento do consumidor. É o seu público-alvo quem precisa ser devidamente contemplado para que o negócio seja bem-sucedido.

O ideal é saber de que maneira o seu projeto pode ser viável para as pessoas e se há espaço para o que você vende no local em que pretende atuar. Nesse sentido, pesquisas são de grande utilidade. Conte com elas e tenha argumentos para investir.

Tenha um plano para cada fase do negócio

Empreender é algo que, inevitavelmente, exige um conjunto de técnicas por parte de quem atua no projeto. Essas técnicas podem ser adquiridas com o sacrifício do dia a dia, mas também podem ser assimiladas em um momento anterior, quando você sabe quais são as habilidades necessárias para exercer seu trabalho.

Assim, quando você se planeja em função daquilo que será necessário para empreender, habilidades e competências podem ser assimiladas numa fase inicial e você terá maior segurança na sua rotina de trabalho.

Nesse sentido, é preciso planejar, por exemplo, a quantidade necessária de capital de giro em cada fase do empreendimento. Assim você tem como saber se os recursos disponíveis são os suficientes para dar início à sua atividade empresarial e, dessa forma, evitar problemas como empréstimos a juros altos.

De uma maneira geral, é preciso se planejar para os elementos básicos do seu negócio. Isso diz respeito à gestão financeira e de pessoas, marketing e legislação. Tendo isso em mente, você já pode empreender com mais segurança.

Por fim, vale lembrar que não existe uma receita que deve ser seguida por quem pretende empreender. Entretanto, estas dicas costumam estar presentes em empreendimentos de sucesso, portanto, contar com elas pode ser o diferencial que você precisa para começar o seu negócio no momento certo.

Agora que sabe como começar a empreender, assine nossa newsletter e receba outras informações como essas em primeira mão, diretamente em seu e-mail.

2 minutos de leitura

Apesar do cenário de crise que preocupa muitos empreendedores, o mercado continua crescendo para determinados tipos de empresas. Alguns setores conseguem se destacar mesmo em situações adversas e, para que você consiga empreender com sabedoria e continuar lucrando, é preciso conhecer quais tipos de mercado são mais favoráveis.

Para te ajudar, listamos 5 opções que têm sido tendência para você acompanhar. Vamos lá?

1. Espaço de coworking

Uma tendência que tem crescido consideravelmente é a criação de espaços de coworking. Com o aumento de empresas com trabalho remoto, esses espaços ajudam a criar um ambiente de trabalho leve, divertido e moderno.

Esses espaços também podem ser utilizados para reuniões empresariais, principalmente com prospects.

2. Startups

As startups e empresas de tecnologia, em sua maioria, caminham juntas. Isso porque o desenvolvimento de tecnologias é muito comum nesse tipo de empresa e, felizmente, hoje muitos podem contar com o apoio de programas de aceleração, que ajudam a tirar a ideia do papel e transformar a startup em algo real.

O mercado tem crescido pelas soluções diferentes oferecidas por empreendedores focados no futuro, na praticidade e na solução. Se você tem uma ideia inovadora, capaz de transformar o mercado e com potencial de ajudar várias pessoas no dia a dia; talvez seja a hora de abrir seu próprio negócio!

3. Serviços de comunicação

As empresas com serviços de comunicação também têm tido seu espaço no mercado.

Hoje, com o crescimento da concorrência e com os novos hábitos de consumo, cada vez mais empresas percebem a necessidade de investir em comunicação assertiva e bem direcionada, além de multimídia.

Por isso, agências e pequenos grupos de freelancers estão aparecendo com mais força, a fim de ajudar uma parcela das empresas que, agora, decidiu investir em marketing.

O interessante dessa área, também, é a segmentação. Algumas empresas de comunicação têm se especializado em áreas, como marketing médico e educacional.

4. Setor de alimentação

O setor de alimentação também cresce, principalmente se pensarmos em segmentação por cozinhas e alimentações específicas. Hoje o mercado é vasto e diversificado, com oportunidades de atuação em alimentação orgânica, em cozinhas de países diferentes, em dietas vegetarianas e veganas e muito mais.

Para esse setor, é importante trabalhar não só o alimento, mas uma experiência e um estilo de vida.

5. Reparo de roupas e sapatos

Uma tendência notável é a personalização de roupas e sapatos. Com isso, pequenos empreendedores com foco em reparo de vestuário têm aumentado consideravelmente. A ideia do slow fashion e do consumo consciente cresceu e, para as pessoas com foco em reparos de roupas e sapatos, essa novidade aumentou as possibilidades de negócio.

Para ficar por dentro do mercado e descobrir quais são os tipos de empresas que mais crescem durante a crise econômica, é preciso ficar de olho nas novas necessidades, sempre considerando os novos hábitos de consumo.

Analisar e acompanhar o mercado é uma forma de encontrar novas oportunidades e aprender a explorar seu diferencial competitivo!

Gostou do nosso conteúdo e quer continuar recebendo dicas de empreendedorismo? Nos siga nas redes sociais: estamos no Facebook, no Twitter e no Instagram!

3 minutos de leitura

Atualmente, um dos grandes desafios para os empreendedores é a gestão das suas diversas equipes. Principalmente pela questão da interdependência entre os setores, é essencial que todos trabalhem com sinergia, de forma a garantir os melhores resultados. Essa dificuldade aumenta mais quando há pessoas que trabalham remotamente, ou seja, não estão próximas umas das outras no mesmo espaço físico.

Pensando nisso, no post de hoje, reunimos informações relevantes sobre o assunto para ajudar você a entender como integrar equipes da melhor forma. Continue a leitura e saiba mais!

Qual a importância da integração de equipes?

Em qualquer organização, por mais que em um primeiro momento não pareça, todos os setores são interligados. Nesse sentido, digamos, por exemplo, que o setor de logística atrase a entrega de um produto no destino final. Certamente, o setor de marketing terá que lidar com uma crise por ter diversas reclamações relacionadas a isso. Logo, os dois setores possuem, sim, conexões.

Por isso, ambos precisam trabalhar com entrosamento e dedicação, para que um possa relatar ao outro as situações ocorridas e já “preparar o terreno” para eventuais problemas. A questão primordial é que a integração promove uma maior compreensão da importância do trabalho das equipes como um todo.

Contudo, por mais fundamental que seja, quando precisa ocorrer em situações nas quais as equipes estão distantes fisicamente, essa integração, muitas vezes, é dificultada. O contato diário privilegia as relações entre colaboradores, fazendo com que compreendam mais claramente o que o colega realiza e como o trabalho de um impacta o do outro.

No entanto, mesmo que, a princípio, seja mais difícil alcançar esse tipo de entrosamento com equipes que trabalham a distância, é possível, sim, que todos estejam bem integrados e dispostos a colaborar com os parceiros para que as atividades possam ser realizadas da melhor forma possível. Para tanto, basta ter bastante planejamento e organização.

Como integrar equipes que trabalham a distância?

A seguir, veja algumas dicas infalíveis para realizar isso da maneira mais adequada.

Realize reuniões ocasionais

Para integrar as equipes, é relevante que essas pessoas tenham contatos ocasionais. Se for possível, agende reuniões presenciais em algum espaço que disponibilize salas para esse fim.

Caso alguém não possa comparecer presencialmente, faça-o participar por meio de videoconferência. Isso é importantíssimo até mesmo para que os membros se conheçam de fato e possam contribuir uns com os outros de forma mais potencializada.

As reuniões ajudam nos processos de brainstorming, a alinhar questões que precisam ser resolvidas, a compartilhar experiências e até mesmo você, como gestor, a entender as dores e os problemas de cada setor.

Utilize aplicativos de gestão de tarefas

O que não faltam são ferramentas que permitem uma melhor integração de equipes remotas. Essas, que também são bastante úteis para melhorar a produtividade no trabalho, permitem que as equipes possam acompanhar as demandas e as atividades de cada uma.

Entre essas ferramentas estão:

Implemente redes sociais corporativas

As redes sociais corporativas também são boas aliadas para facilitar os processos de integração entre equipes. Por meio desses espaços, pessoas que estiverem impossibilitadas de se encontrar pessoalmente, poderão interagir e dividir demandas comuns.

Por exemplo, o gerente de uma filial de outra cidade poderá conversar com o gerente da matriz de maneira mais prática e eficiente, dentro de um ambiente facilitado e criado para isso. Utilizando gestão estratégica e criatividade é possível criar plataformas interessantes e atraentes, voltadas para as necessidades do seu negócio.

Otimize a comunicação entre os membros das equipes

Os membros devem ter fácil comunicação entre eles. Isso pode ser estimulado, em um contato mais direto, por meio das redes sociais corporativas citadas anteriormente.

Porém, em outros casos, é preciso aliar essa facilitação à produtividade, considerando que, eventualmente, existe a necessidade de compartilhamento de arquivos, documentos e, até mesmo, ideias e sugestões. Para isso, pode-se usar mecanismos como:

Então, agora que você já sabe como integrar equipes de maneira mais eficaz, não perca tempo e comece a utilizar essas estratégias hoje mesmo. E se ainda ficou alguma dúvida ou se você tem outras dicas para compartilhar, deixe seu comentário abaixo!

 

3 minutos de leitura

Em vigor desde que foi promulgada pelo Presidente da República em março de 2017, a Lei 13.429/17 ainda é alvo de dúvidas tanto por parte de empresários quanto de funcionários. Afinal de contas, como a nova lei da terceirização pode afetar a sua empresa e o crescimento sustentável dos seus negócios?

Basicamente, o dispositivo legal modifica o entendimento geral a respeito das atividades que podem ser terceirizadas no Brasil, além de ampliar o rol de responsabilidades em caso de ações trabalhistas.

Se você deseja saber mais sobre esse assunto, o post de hoje traz informações sobre a maior mudança trazida pela nova lei em relação à terceirização, assim como os cuidados que você precisa ter com ela e, por fim, as vantagens que você poderá obter. Continue acompanhando!

Mudança em relação às atividades fim

A grande mudança proporcionada pela lei e que vem sendo alvo de constantes polêmicas é a terceirização de atividades fim. Terceirizar atividades não chega a ser uma novidade no país, pois, legalmente, esse instituto sempre foi permitido para aquelas funções que não estão ligadas à atividade principal da empresa.

Dessa forma, serviços de faxina para uma empresa de softwares ou de fornecimento de tecnologia para um banco, por exemplo, poderiam ser delegados a outras empresas sem problemas.

Com a nova lei, a novidade é que atividades fim também poderão ser terceirizadas. Assim, uma agência de publicidade poderá contratar profissionais de comunicação em regime de PJ (Pessoa Jurídica), ou uma construtora poderá adotar o mesmo para os seus engenheiros.

Cuidados com a terceirização

Embora a mudança pareça ser de grande profundidade, é importante observar que a relação trabalhista continua a ser regida pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que não sofreu modificações. Isso significa que os direitos trabalhistas permanecem intactos, inclusive no que se refere à caracterização de vínculo empregatício.

Portanto, caso haja habitualidade, onerosidade e subordinação entre os gestores da sua empresa e os empregados terceirizados, a justiça poderá entendê-los como seus funcionários diretos, o que faz com que sua empresa fique vulnerável em caso de ações jurídicas.

Outro problema que tem sido lembrado — e que é verdadeiro — diz respeito aos efeitos que a terceirização pode trazer para a cultura organizacional, um fator importante para o sucesso da sua empresa. Se a maior parte dos seus funcionários trabalha ocasionalmente ou por projetos, dificilmente terá uma equipe aderente aos seus conceitos e preocupada com as metas a serem cumpridas.

O lado bom da nova lei da terceirização

Por outro lado, se você trabalha com projetos ou tem interesse em desenvolver trabalhos temporários na sua empresa, a terceirização pode ser uma boa notícia. Sem precisar contratar funcionários para exercer atividades com início, meio e fim pré-definidos, você potencializa o seu orçamento sem sucatear sua mão de obra e, assim, consegue obter mais produtividade e melhores resultados organizacionais.

De parte dos empregados, fica a chance de negociar melhores contratos e trabalhar em diversos projetos ao mesmo tempo e em diferentes empresas.

No final das contas, a Lei da Terceirização é uma boa solução desde que seja usada com sabedoria. A contratação ocasional de funcionários para a realização de atividades fim pode ajudá-lo em alguns desenvolvimentos importantes. Mas, trocar toda a sua equipe por funcionários terceirizados, certamente, trará prejuízos aos seus objetivos.

Portanto, estude a nova lei da terceirização e veja como ela pode ser útil para a sua empresa e para os seus projetos. Faça com que a legislação seja uma parceira do seu empreendimento e dos seus funcionários!

E aí, esse artigo foi útil para você? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de mais conteúdo igual a este sempre que tiver post novo!

2 minutos de leitura

Todos os empreendedores estão constantemente buscando formas de inovar e fazer a empresa crescer e desenvolver-se no mercado. Mas, crescer de forma desordenada e sem planejamento pode não ser saudável para o negócio. Em médio e longo prazo pode prejudicar a empresa ou até mesmo levá-la à falência.

Por isto é muito importante que os empreendedores mantenham o controle sobre o volume de vendas, os planos de ação aplicados, os procedimentos para contenção da crise, monitorem continuamente o desempenho da empresa e os resultados alcançados. Estabelecer um planejamento de crescimento sustentável e definir metas a serem alcançadas são processos fundamentais para o desenvolvimento da empresa no mercado e aperfeiçoamento dos lucros.

Para te ajudar a manter o crescimento sustentável da sua empresa, separamos neste post 4 estratégias que não podem ficar de fora do seu negócio. Confira!

1. Estudar o mercado

Para que empresa planeje o crescimento sustentável, defina os planos de ação a serem seguidos e obtenha bons resultados, é fundamental que os empreendedores estudem o mercado e conheçam o contexto no qual a empresa está inserida.

Somente conhecendo todos os competidores, fatores que influenciam o negócio e trabalhando com os melhores parceiros, os empreendedores podem aplicar estratégias e definir posicionamentos para a empresa que proporcionem um crescimento controlado e sustentável.

2. Entender o perfil dos clientes

Para que uma empresa cresça, é preciso aumentar as vendas, correto? Portanto, é imprescindível conhecer o perfil dos clientes e o que eles procuram e desejam.

Somente assim é possível oferecer a eles produtos ou serviços de qualidade e fazer com que a empresa aumente as vendas e mantenha o crescimento.

3. Sanar as necessidades dos clientes

Os clientes são os grandes responsáveis pelos lucros de uma empresa, logo precisam ser o principal foco dos empreendedores. É muito importante que todos os gestores orientem sua equipe e todos os funcionários da empresa a tratarem os clientes com excelência, buscando sempre suprir suas dúvidas e sanar todas as suas necessidades.

Quanto melhor for o atendimento prestado aos clientes, melhor será a imagem da marca no mercado e maiores as chances dos consumidores indicarem a empresa, influenciando assim o crescimento do negócio.

4. Buscar inovações

Após conhecer o mercado, entender o perfil dos clientes, e, quais são as demandas que devem ser supridas e os pontos que carecem de aperfeiçoamento, os empreendedores devem buscar inovações que permitam o negócio destacar-se diante da concorrência e crescer no mercado. As inovações podem ser desde a criação de diferenciais competitivos e introdução de novos processos mais eficientes, até a introdução de novas tecnologias.

Os empreendedores precisam ter em mente que um diferencial competitivo ou uma inovação são umas das melhores maneiras de manter o negócio em destaque e, com isso, fazer com que ele cresça e se desenvolva.

Para que uma empresa mantenha o crescimento sustentável é preciso que os empreendedores estejam constantemente estudando o mercado, conhecendo melhor o público, melhorando o relacionamento com os clientes, planejando e melhorando o negócio.

Assim, a empresa pode manter um crescimento planejado e orientado, garantindo que as metas e resultados esperados sejam devidamente alcançados.

Aprendeu quais são as melhores estratégias para que seu negócio mantenha o crescimento sustentável? Agora que não deixe de curtir a nossa página no Facebook e fique por dentro das melhores dicas e novidades para a sua empresa!

2 minutos de leitura

Quando você pensou em abrir o seu negócio deve ter se preocupado muito com a qualidade do produto ou serviço que comercializaria, com o nome da empresa, suas cores, logotipo etc. Mas não imaginava que entre os desafios de empreender deveria entender tanto de contabilidade, correto?

A verdade é que, para seu negócio ser realmente lucrativo, é preciso que o gerenciamento das finanças seja realizado de forma eficiente. Pensando nisso trouxemos dicas fundamentais para a contabilidade de pequenas empresas.

1. Faça um planejamento orçamentário

Um dos maiores responsáveis pelos erros contábeis é a falta de planejamento. Você precisa saber, pelo menos, qual deve ser o faturamento e o lucro mensais esperados do seu negócio e definir qual é o regime de tributação ideal para o seu negócio.

Elabore um sistema preciso de despesas e obrigações regulares para que você conheça exatamente o rendimento mínimo que você precisa a cada mês. Com isso, você terá um alvo de quanto sua empresa precisará ganhar para não terminar o mês no prejuízo.

2. Separe contas pessoais das contas da empresa

Misturar as finanças pessoais com as empresariais é o erro mais comum do pequeno empresário, por esse motivo o ideal é que sua empresa tenha uma conta bancária dedicada somente para ela, incluindo cheques e cartão de crédito. Essa simples prática de contabilidade para pequenas empresas vai lhe poupar grandes dores de cabeça no futuro.

3. Registre todas as despesas

Todas as transações comerciais devem ser registradas, por menor que sejam. Quando se trata de possíveis projeções fiscais e cálculos de despesas, ter essa informação pode ajudar sua empresa a poupar dinheiro, além de eliminar o risco de potenciais multas ou penalidades. Preferencialmente, trabalhe com algum software que simplifique esse processo, para que os registros de transações sejam facilmente rastreados.

4. Organize as questões fiscais

As pequenas empresas são obrigadas a cumprir uma série de questões financeiras e legais, e você precisa estar ciente delas. Erros e atrasos de responsabilidades tributárias podem resultar em multas pesadas. Isso poderia, facilmente, subtrair os lucros da sua empresa.

5. Contrate um profissional de contabilidade

A menos que você tenha um diploma em contabilidade, você precisará contratar os serviços desse profissional. Principalmente no Brasil, com tantas regras e exigências fiscais.

Inicialmente, com seu negócio em expansão, os custos de um contador para cuidar de toda sua empresa podem ser altos demais para o caixa. Hoje em dia entretanto existem diversas empresas de contabilidade online com plano bem acessíveis para esse perfil de negócio.

Perigos da falta de contabilidade para pequenas empresas

Se você ainda não está convencido da importância dessas dicas de contabilidade para pequenas empresas, saiba que o mercado está repleto de ex-donos de negócios que ignoraram essas questões financeiras básicas, e descobriram tarde demais que o negócio estava gerando prejuízo, ao invés de lucro.

Dentre os problemas que sua empresa enfrentará como reflexo da negligência a essas dicas, destaca-se:

  • Grandes perdas financeiras;
  • Pagamentos em duplicidade;
  • Multas por contas atrasadas;
  • Problemas judiciais por não cumprimento das leis fiscais e trabalhistas;
  • Perda de oportunidade de crescimento.

Essa sucessão de problemas poderá causar a morte do seu negócio, para que isso não ocorra, confira também, o artigo que preparamos com 5 dicas para fazer um planejamento financeiro simples e eficiente.

2 minutos de leitura

Você já deve ter lido que um bom planejamento é vital para o sucesso de uma empreitada: sem algo que sirva como norte, é muito complicado alavancar um projeto e monitorar seu progresso. Sendo assim, é possível deduzir a importância do plano de negócios. Mas o que ele é?

Também conhecido como plano empresarial ou business plan, esse documento apresenta as diretrizes para que um empreendimento alcance seus objetivos, resultando na consolidação da marca no mercado e servindo também como ferramenta de gestão e de marketing interno.

Sabendo disso, preparamos este artigo para apontar os tópicos mais importantes para criação desse material e explicar os impactos de sua flexibilização. Ficou interessado? Acompanhe!

O que, de fato, esse planejamento proporciona?

A essa altura você deve estar se perguntando o que há de tão mágico nesse documento, afinal é comum desconfiar quando a promessa é muito boa!

O segredo está em modelar e registrar no papel os aspectos importantes do negócio, traçando estratégias e definindo boas práticas que servirão como orientação para o cumprimento dos objetivos.

Definir a área da empresa

O primeiro passo é definir um ramo de atuação levando em conta aspectos como a preferência pessoal, conhecimento técnico, oferta e procura, investimento necessário e, finalmente, o retorno financeiro resultante da atividade.

O ideal é criar uma proposta consistente e palpável para a marca, encontrando o equilíbrio entre os fatores listados e tomando ciência dos desafios que serão enfrentados.

Conhecer o mercado

Por meio da realização de pesquisas e análises, um dos benefícios do business plan é a possibilidade de identificar as demandas de seus consumidores e as características de empresas concorrentes.

Isso permite que você ofereça um serviço diferenciado e se adapte às necessidades de seus clientes, resultando em uma larga vantagem competitiva no mercado.

Apontar metas

Para planejar e prever o crescimento de seu negócio, um empreendedor deve estabelecer metas: é impossível orientar uma equipe a trabalhar em prol de um objetivo que não esteja definido.

Dessa forma, você assegura que todos os envolvidos no projeto estejam alinhados a um mesmo propósito, possibilitando seu desenvolvimento e eventual realização.

Conseguir investidores

Nem sempre as pessoas estarão dispostas a comprar sua ideia. Sabendo disso, não basta afirmar que a atividade idealizada trará retorno financeiro, é importante saber vendê-la.

Para atrair investidores, é essencial ter uma visão do crescimento em longo prazo e ser capaz de apresentar planos de expansão para quando a empresa atingir a maturidade. Expor o diferencial dos serviços oferecidos é outra forma de atrair atenção para sua marca!

Quão flexível um plano de negócios de pode ser?

Durante a fase de execução, saiba que algo poderá ocorrer de forma diferente das diretrizes apontadas pelo business plan. Se esse for o caso, é bom ter cuidado: uma mudança é sempre acompanhada de riscos.

Alterar um plano já definido e estruturado sem a devida atenção pode causar a perda de foco e de identidade da marca, confundindo o público-alvo e afastando os clientes mais fiéis.

Quando houver a necessidade de se fazer isso, leve alguns questionamentos em conta: o que justifica a modificação? O que deve ser mantido? Qual a melhor estratégia para tal?

Com o tempo, é normal sentir insatisfação com o plano empresarial e achar necessária uma adaptação — causada, muitas vezes, pela evolução tecnológica e novas tendências do mercado. Fique tranquilo, isso não é ruim! Certifique-se apenas de acompanhar os riscos para que seja possível tirar proveito de todos os benefícios que puder!

Gostou de aprender sobre a importância do plano de negócios? Assine a nossa newsletter e receba outros artigos na sua caixa de e-mail! Não perca essa oportunidade!

2 minutos de leitura

Um bom planejamento financeiro não precisa necessariamente ser difícil, pelo contrário, a simplicidade dessa tarefa ajuda você a se organizar de forma mais fácil e a não sofrer ao realizar esse processo.

Uma empresa bem organizada financeiramente consegue atuar de maneira mais sólida, tendo uma previsão consistente das despesas e demais valores a serem gerenciados. Visando ajudar você a fazer um planejamento simples e eficiente, listamos algumas dicas importantes para tornar essa ferramenta uma grande aliada do seu negócio.

1. Faça um planejamento geral

Muitas empresas montam o seu planejamento financeiro no início do ano, o que é arriscado, visto que o tempo já está correndo e essa tarefa ainda está em andamento.

Uma medida simples é fazer esse processo nos meses finais do ano anterior. Dessa forma, você consegue prever com mais antecedência os investimentos a serem feitos, a expansão de projetos, as despesas fixas e a estimativa de faturamento.

Esses itens se interligam e constituem um planejamento mais geral que, posteriormente, pode ser subdivido em etapas para facilitar o gerenciamento.

2. Tenha um bom controle financeiro

Quantas vezes, ao colocar em prática o que foi planejado, acaba se gastando mais do que deveria resultando em dificuldades financeiras?

Para evitar esse tipo de problema, é preciso ser metódico na hora de acompanhar o seu fluxo de caixa e a origem destinada a esses valores.

Ao fazer esse monitoramento, você consegue ser mais preciso na hora de gerenciar os seus recursos.

3. Utilize a tecnologia a seu favor

Atualmente, existem diversos softwares de gestão financeira que facilitam a missão de planejar e controlar as finanças empresariais.

A organização é um dos pontos principais para se ter um planejamento financeiro eficiente. Por isso, esse tipo de ferramenta auxilia para que seus dados financeiros não se percam por aí e possam ser acessados de forma rápida.

Acompanhar esses números permite que você perceba mais facilmente os pontos que precisam ser melhorados e os que estão indo bem em termos financeiros.

4. Verifique a possibilidade de compartilhar espaço

A matemática é simples, quanto menos você gasta com despesas fixas, mais dinheiro vai sobrar no final do mês. Dentre esses custos, podemos citar aluguel, telefone e internet como itens que pesam bastante no bolso do empreendedor.

Uma solução que vem crescendo é o uso de espaços compartilhados, já que possibilitam uma redução dessas despesas, centralizando tudo em valores únicos, e facilitam o processo de controle financeiro.

Além disso, esses locais são propícios para a criação de parcerias de trabalho, outro elemento fundamental para otimizar processos e gerar economia.

5. Conte com ajuda especializada

Se as questões financeiras da sua empresa são mais complexas de gerenciar e você tem dificuldade em simplificar essa ação, contar com uma ajuda especializada pode ser fundamental para não transformar isso em uma grande dor de cabeça.

Entender a individualidade do seu negócio permite diagnosticar as causas dos problemas e possibilita resolvê-los mais rapidamente.

Uma consultoria tem a expertise necessária para realizar esse trabalho, auxiliando assim na elaboração de um planejamento financeiro simples, eficiente e adequado à sua realidade.

Quer saber tudo sobre coworking e empreendedorismo? Assine a nossa newsletter e não perca nenhuma novidade!

2 minutos de leitura

Pode até não parecer, mas escolher o nome da empresa é tarefa muito difícil. Mesmo quando as ideias surgem, é preciso pensar também na longevidade delas, além de outros fatores como a compatibilidade com o negócio que está sendo montado e até mesmo se isso já não foi pensado anteriormente por um concorrente.

Sendo assim, nada melhor do que saber mais sobre o assunto, de maneira que você tenha como escolher da melhor forma possível o nome para o seu empreendimento.

Por isso, confira as dicas que preparamos no post de hoje!

Escolha algo de fácil assimilação

Coca-Cola. Tente esquecer esse nome. Difícil, não é? O fato é que, mesmo com toda a exposição da marca, é um nome simples, de fácil memorização e que permite tanto a clientes quanto fornecedores e colaboradores não precisarem de muito para decorar. Este é o segredo. É muito mais fácil lembrar da Coca-Cola do que da My Dadz Nutz, por exemplo.

Grandes empresas trabalham com essa lógica. Google, Submarino e Apple, são simples, mas nem por isso deixam de ter impacto na cabeça das pessoas. Na dúvida, opte sempre por nomes simples.

Tente ser compatível com o seu mercado

O ideal é que você crie um nome que tenha a ver com o seu segmento de mercado. É preciso dar aos clientes uma pista sobre o que sua empresa se propõe a fazer, principalmente no começo das atividades.

Quando o nome escolhido for muito genérico, você pode colocar essa informação como complemento da marca. É o caso de empresas como barbearias e bares. Um cliente que passa pelo Bar do Arnaldo, por exemplo, sabe mais facilmente do que se trata do que se o estabelecimento se chamasse simplesmente Arnaldo.

Deixe claro o seu posicionamento

O Burger King jamais poderia ser uma empresa de atuação local, mais restrita a um determinado público. Com esse nome (king em inglês significa rei), a empresa deixa claro que pretende se colocar no mercado como a número um naquilo que faz. Parece excessivamente autoconfiante? Talvez, mas tem tudo a ver com o posicionamento de marca.

Este é um exemplo de que, com foco no posicionamento, é possível encontrar um nome interessante para seus objetivos. Concentre-se em determinar o espaço de mercado que sua empresa pretende ocupar para, em consequência disso, definir um nome que seja compatível com essa busca.

Saiba se o domínio está disponível

Você pode ter uma brilhante ideia, mas só depois perceber que ela já tem dono. Isso acontece. Por esse motivo, é essencial conferir no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual) se a sua marca já está patenteada. Aliás, é a ele que você deverá recorrer para patentear a sua marca, caso ela esteja disponível.

Confira se existe a possibilidade de registrar a sua marca e o faça, lembrando antes de consultar se existe um domínio para o nome escolhido na internet. É fundamental verificar se seu nome tem espaço na rede para que isso não comprometa a marca ou o conteúdo a ser criado.

Entendeu melhor como escolher o nome da empresa? Então não deixe de compartilhar as dicas nas redes sociais.

2 minutos de leitura

O sonho de todo empreendedor, independentemente de seu ramo de atuação, é obter sucesso na sua caminhada empresarial. O mercado consumidor apresenta inúmeras oportunidades de crescimento, mas, quando não analisado corretamente, pode enganar um profissional despreparado.

Em meio a esse cenário, é muito importante utilizar técnicas para conseguir tração para o seu negócio, obter resultados positivos e superar desafios.

Mas você sabe como conseguir isso? Sabe qual é o significado dessa expressão tão falada hoje em dia?

Continue a leitura e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto!

Entenda o que é a tração para o seu negócio

Atualmente, o crescimento de uma empresa é um dos objetivos mais desejados por muitos empreendedores. Contudo, poucos sabem como executar e medir de maneira correta e eficiente esse processo.

Conseguir tracionar a sua empresa, além de um indicativo de crescimento, visa medir qual é a procura por certo produto ou serviço no mercado. É também um sinal para visualizar se a sua gestão está tomando medidas corretas para aproveitar todo o esse potencial.

Em outras palavras, esse conceito é essencial para identificar e quantificar o sucesso do seu negócio. Não existe uma fórmula específica, mas a seguir listamos alguns canais que você pode utilizar com o intuito de obter essa tração.

Use o e-mail marketing

Quando utilizado corretamente, o e-mail marketing é um poderoso canal que pode apresentar resultados extremamente positivos. Essa tecnologia permite que um empreendedor possa:

  • adquirir novos leads;
  • engajar clientes;
  • gerar indicações;
  • aumentar suas conversões.

Evite comprar listas de contatos de terceiros e programe o envio de e-mails de maneira adequada e fuja do spam.

Produza conteúdos relevantes

O marketing de conteúdo já é uma realidade em nossa economia. Pequenos, médios e grandes empreendedores estão adotando suas técnicas e ferramentas em suas gestões empresariais.

Por isso, é necessário produzir conteúdos de relevância e que agreguem valor ao seu produto. De nada adianta criar uma campanha publicitária voltada para adolescentes se as suas mercadorias são mais adequadas a um público mais velho.

Para evitar essas situações, analise e defina com sabedoria quem são as suas personas e o seu público-alvo. Produza conteúdos de relevância, aumente o tráfego orgânico do seu site ou blog e conquiste autoridade no mercado.

Redes Sociais

Com o avanço das tecnologias, uma pessoa pode acessar a internet de qualquer lugar do mundo por meio de um aparelho que cabe na palma da mão.

No mundo virtual, existem inúmeras plataformas que devem ser utilizadas para aumentar a tração do seu negócio como as redes sociais, Facebook, Instagram, LinkedIn, fóruns de discussão e lojas de aplicativos.

Utilize-as para divulgar a sua marca e os seus conteúdos. Além disso, entenda quais são as necessidades dos seus clientes e apresente as soluções para os seus problemas.

O dia a dia de trabalho de um empreendedor exige muito empenho e dedicação na realização de todas as suas responsabilidades empresariais.

Ao entender o conceito de tração para o seu negócio e seguir as dicas do post de hoje, é possível conseguir novos clientes e fazer o seu negócio crescer!

Agora, assine a nossa newsletter, acompanhe os nossos lançamentos e tenha resultados surpreendentes em sua gestão!

3 minutos de leitura

Muita gente sonha em montar o próprio negócio e conquistar a independência financeira e profissional. Porém, você há de concordar que empreender não é fácil, pois envolve muitos desafios, como enfrentar a alta concorrência do mercado, a busca de um local apropriado para montar a empresa e os altos custos de manutenção do negócio. Ainda assim, pode ser muito gratificante e proporcionar autonomia e independência financeira por toda a vida.

Para alcançar os objetivos e obter o sucesso esperado, é preciso muita disciplina e atenção a alguns requisitos fundamentais para quem está começando a empreender. Por exemplo, você tem um bom diferencial em relação aos concorrentes? Fez um bom planejamento financeiro? Administra bem o seu tempo? Tem um local apropriado para sua empresa?

Conheça, a seguir, cinco dicas para fazer seu negócio crescer, conseguir novos clientes, reduzir seus custos e se destacar diante dos concorrentes.

Seja diferente dos concorrentes

Quem monta a própria empresa, deve estar sempre preparado para enfrentar a concorrência. Em ambientes de alta competitividade, características como inovação, tecnologia e diferencial da concorrência são muito importantes. Infelizmente, a maioria dos novos negócios no Brasil não é pautada pela inovação.

Observa-se que, no Brasil, apenas 6,3% dos empreendedores iniciais utiliza tecnologia nova, enquanto na China esse índice é de 33,1%, segundo pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Procure um diferencial para seu empreendimento, contratando funcionários bem qualificados e investindo na formação e capacitação.

Faça um plano de negócios

Conhecer bem o mercado em que você deseja ingressar é o primeiro passo para assegurar um planejamento sólido e minimizar riscos. É preciso se basear em premissas lógicas: o produto ou serviço é competitivo? Agrega valor ao consumidor? Há boas perspectivas de crescimento? O negócio tem um foco claro? Procure entender as necessidades, hábitos e comportamentos dos clientes, estude os concorrentes e pesquise várias opções de fornecedores.

Invista no planejamento financeiro

Planejamento e visão clara de futuro aumentam a capacidade de o negócio ser bem-sucedido e minimizam riscos. Faça um levantamento completo do que é necessário para começar o seu negócio. Considere itens como espaço físico, mão de obra e matéria prima. E não se esqueça dos gastos de manutenção, como aluguel, água e energia elétrica. Verifique se o retorno sore o investimento é substancial e quanto tempo poderá se manter até começar a lucrar. Caso o capital inicial não seja suficiente, é possível conseguir um financiamento.

Saiba como administrar seu tempo

A aprendizagem de como e quando investir tempo e energia resulta em economia de tempo e dinheiro. Procure direcionar sua mente para tarefas específicas, sem distrações, e mantenha-se focado e produtivo. Uma dica é criar uma lista de tarefas, tanto para serem cumpridas no próprio dia quanto também a longo prazo. Destaque as prioridades e lembre-se de incluir os períodos reservados para as reuniões. Também é importante saber gerenciar as distrações, evitando excessos no uso de e-mails, celular e redes sociais, por exemplo.

Tenha um local apropriado para seu negócio

Ao alugar um imóvel para sediar sua empresa, atente para características como localização, facilidade de acesso, espaço útil, ofertas de serviços públicos na região, estacionamento, capacidade de armazenamento, entre outros fatores.

Uma solução pode ser optar por espaços de coworking, que possibilitam ter um grande espaço de trabalho sem a necessidade de se preocupar em gerenciá-lo. Além disso, compartilhar um espaço de coworking possibilita reduzir custos com estrutura, pessoal e serviços.

Como pode perceber, começar a empreender envolve desafios, mas pode ser bastante recompensador. Seguindo essas recomendações, você terá muito mais chances de alcançar os seus objetivos.

Você está pensando em montar o seu próprio negócio? Quer saber mais sobre inovação e empreendedorismo? Nos siga no Facebook, Twitter e Instagram e fique por dentro das novidades!